quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Obstinação no Mal

Passei um último ano tendo algumas interações com pessoas que são absolutamente obstinadas no mal. Parece que elas vivem para isso e nada mais, mas pensando a respeito, concluí algumas coisas.

Encontrei dois motivos para isso. O primeiro é o interesse pessoal, normalmente a ganância. Conseguir o que quer, seja qual for o custo e a segunda parte da observação entra neste ponto. Pessoas felizes, ou que já esperimentam algum nível bom de felicidade não fazem as coisas a qualquer custo. Os ganhos nem sempre compensam os custos e não falo de bens materiais, falo de relações, falo de sentir-se bem, de ser feliz.

As pessoas boas de coração logo se sentem incomodadas e percebem que a vida está desmoronando. Notam que é preciso sair daquele mundo, se afastar daquelas pessoas, mesmo que isso signifique deixar muitos esforços para trás. O que você conseguiu a pouco tempo, ou o que poderia vir a conseguir caso continuasse nesse novo caminho, se torna insignificante perto da destruição de todo o futuro que você já tinha planejado com sua família e seus amigos. É melhor parar tudo, procurar outra rota para chegar ao mesmo objetivo e preservar as boas coisas que foram conquistadas em momentos anteriores da vida.

Essas pessoas que seguem obstinadas na maldade não conhecem certos sentimentos bons, possuem poucos amigos e esses, normalmente, nem podem ser chamados de amigos. Vivem uma vida triste, deprimente, muitas vezes a base de remédios para doenças imaginárias e acabam por querer levar aos outros esta mesma sensação miserável, mesmo que de forma inconsciente. A maioria nem convive com seus próprios familiáres. Para justificar as atitudes que possuem, acabam se envolvendo em um discurso qualquer.

Sei que cada caso é um caso, mas conheci algumas pessoas assim e sinto muito por elas, não sei nem o que fazer. Não há nem como conversar. Estão cegas e seguirão com este comportamento destrutivo por muito mais tempo. Não percebem o que realmente estão fazendo. Se consideram os paladinos, mas vivem na mais absoluta miséria espiritual.

Me pergunto porque não usam toda essa força de vontade para fazer algo bom para todos.